Archive for Dezembro, 2010

Sol amarelo, castelo, luva, guarda-chuva.

Tô tão feliz que sou uma página em branco.

Curiosa essa imagem da felicidade, nunca tinha ouvido, e me veio assim que vi a tela em branco na minha frente. Pra chegar a essa conclusão “tô tão tão feliz que sou uma página em branco“, meu pensamento fez o seguinte percurso: viajo amanhã, tô feliz, leve, sem pesos, sem bagagens indesejadas, pronta pra viver experiências novas e escrever novas histórias, me deixar “imprimir” nessas histórias e recomeçar. Outro dia eu escrevia um post sobre isso que acabei não publicando (ficou uma droga). Mas falava sobre recomeçar. Essa época do ano é própria pra pensamentos desse tipo, mas no post eu tentava contar quantas vezes recomecei um ano em 2010.

Recomecei quando iniciei um projeto pessoal, recomecei de novo quando decidi voltar pra academia de vez (claro que quando eu desisti não contou como um recomeço), recomecei quando acordei me sentindo resolvida sobre algo que me incomodava. Então pra mim, recomeçar não é algo próprio da virada do ano. É próprio de certos momentos da vida. Mas desta vez vou recomeçar um monte de coisas ao mesmo tempo. E calhou de ser no mês de dezembro. Então me sinto assim, uma folha em branco, sem nenhuma mancha, sem nenhum rabisco, sem nenhuma rasura ou qualquer coisa apagada, pronta pra fazer um desenho, sei lá, um texto novo, ou uma poesia, uma letra de música.

Não sei, numa página em branco a gente pode ficar livre e criar a história que quiser. Tipo uma folha qualquer, onde a gente desenha um sol amarelo.

Anúncios