Archive for Março, 2013

Nós somos jovens

Antes de mais nada, obrigada, acaso, eu te amo. Digitei uma letra no youtube e pensei: vou ouvir a música com o título que me chamar mais a atenção pra escrever / ler este texto. Aí está “We are young“.

***

Feche os olhos e sonhe com o seu futuro perfeito. Perfeito, perfeito. Como ele é? Onde você mora, com quem você se casou, aliás, você casou? Tem filhos, trabalha onde, é rico? O que está fazendo neste momento? Está de mochila nas costas viajando pelo mundo? Construiu uma casa grande e bonita, ou uma bem simples num lugar distante, de paz e serenidade? Ah, você mora em Nova York, em Paris? Tem sua empresa? Ou recebe um salário que te satisfaz? Vive de forma simples fazendo o que mais ama rodeado das pessoas que te importam? Sonhe. Com detalhes. Sinta a felicidade de estar, por um instante, vivendo tudo que você sempre sonhou.

E se alguém te chamasse num cantinho nesse lugar onde você está nesse “sonho” pra te dizer que está é a vida que você pode ter, desde que faça hoje as escolhas certas? Desde que tome as decisões certas? Que tal? Tudo aquilo que você acabou de sonhar é possível. Desde que você respire fundo e comece a fazer escolhas sábias e tomar atitudes importantes. Desde que faça a coisa certa. Eu não faço a menor ideia do que você sonhou nem quais são as escolhas certas, meus caros. O trabalho de pensar nisso agora é de vocês. É que vendo um capítulo de uma série de TV eu acabei de receber esta sutil sugestão e vou agora mesmo pensar em quais são as minhas escolhas certas.

Mas antes eu tenho algo a fazer: arquitetar o meu “futuro perfeito”.

Boa noite!

Anúncios

Também já curti Bon Jovi

Digitei uma coisa errada hoje no Youtube enquanto procurava uma música, e totalmente por acaso parei neste clipe de Sandy. Fui ver, porque com o acaso não se brinca. E fiquei feliz por ter feito isso. Vivo um momento bem parecido com o dela no clipe. Me sinto “jovem pra ser velha, e velha pra ser jovem”. Estou no segundo limbo da linha da vida. O primeiro é a adolescência, quando se é adulto demais pra ser criança e criança demais pra ser adulto. E é confuso. A mesma coisa agora. E a ficha cai quando você pensa que em todas as brincadeiras de adolescência você achava que as 26 já teria se casado, em dois anos teria o primeiro filho, depois o segundo, casa com cerca branca, e por aí vai. E na realidade você já fez trinta, e ainda não tem certeza se já encontrou seu lugar no mundo.

Por outro lado, isso pode ser muito bom. Eu estou achando que é bem melhor assim. O roteiro de filme que eu escrevi pra viver já virou poeira. A gente acaba escrevendo um roteiro novo todos os dias. O que muda, é que a gente aprende a escrever os roteiros novos de lápis.

🙂

“Hoje já é quinta-feira
E há pouco tinha quase 20
Tantos planos eu fazia
E eu achava que em 10 anos
Viveria uma vida
E não me faltaria tanto pra ver

Tenho sonhos adolescentes
Mas as costas doem”.

Cotidianidades

O exagero é um traço incrivelmente constante nas mulheres. Eu e minha mãe “fazendo” as sobrancelhas (aqui na Bahia a gente diz assim quando quer dizer que tá arrumando, limpando, puxando com a pinça). Começa com a fala de minha mãe:

– Tem uns fios de cabelo muito grandes na minha sobrancelha.
– Normal, na minha também tem.
– Mas são muito grandes mesmo. Acho que consigo arrancar…
– Vá e faça um buraco, depois pra dar jeito é um desespero.
– Esse aqui por exemplo, tem mais de um metro!
– Aff… não tem.
– Venha ver!

Aí eu vou. Claro que não tinha um metro, né? Mas tinha quase.

Eu e ela.

Eu e ela.