Archive for Novembro, 2009

Como diria Woody…

Estou arrumando os últimos detalhes pra viajar. Meu voo sai às 17:40. Então como estou com a cabeça voltada para produtos de beleza amigos inseparáveis, brincos e roupas indispensáveis, máquina fotográfica e afins, resolvi dar de bandeja pra vocês uma série de frases imperdíveis de Woody Allen (sempre ele…!). Acabou que me deu tanto trabalho pra reuni-las que levei mais tempo fazendo isso do que se parasse pra pensar em algo pra escrever. ¬¬ Mas certamente ficou melhor!

– Não é que eu tenha medo de morrer. Eu só não quero estar lá quando acontecer.

– Não quero atingir a imortalidade com meu trabalho, mas sim não morrendo.

– Eu caminhava pela floresta pensando em Cristo. Se ele era carpinteiro, quanto será que cobrava pelas prateleiras?

– Minha mulher e eu ficamos na dúvida de tirar férias ou nos divorciarmos. Optamos pela segunda hipótese. Duas semanas no Caribe podem ser divertidas, mas um divórcio dura para sempre.

– Por que Deus não fala comigo? Se Ele pelo menos tossisse…

– Não posso ouvir muito as composições de Wagner, porque logo sinto um desejo compulsivo de conquistar a Polônia.

– Separei-me de minha esposa porque ela era terrivelmente infantil. Uma vez, eu estava a tomar banho na banheira e ela afundou todos os meus barquinhos sem nenhum motivo aparente.

– É muito difícil fazer sua cabeça e seu coração trabalharem juntos.
No meu caso, eles não são nem amigos.

– Fiz um curso de leitura dinâmica e li “Guerra e Paz” em vinte minutos. Tem a ver com a Rússia.

– Fui criado na velha tradição judaica: nunca me casar com uma mulher gentia, nunca me barbear aos sábados e, principalmente, nunca barbear uma mulher gentia aos sábados.

– Meus reflexos não são muito bons. Certa vez fui atropelado por um carro que estava sendo empurrado por dois sujeitos.

– Quando comecei a escrever, tentei vender a história de minha vida sexual para uma editora. Eles a compraram e a transformaram num joguinho de armar para crianças.

– Tenho vontade de voltar pro útero. Qualquer útero.

Good Lord…

Anúncios

fome + vontade de comer

Morri, né? Acabo de ler que Carla Bruni, a própria Carla Bruni, aceitou atuar em um filme de Woody Allen, ele mesmo, Woody Allen. Adivinhem se eu vou assistir??

Já tô no clima!

Amanhã é meu último dia de trabalho antes das minhas férias. A partir de quarta… FÉRIAS!!! E só volto ao trabalho depois do Natal!

Vou viajar na sexta-feira, e espero poder atualizar de onde estiver. Vou a São Paulo, Búzios e Campos do Jordão (arrasei!). Tava precisando muuuito de férias, e espero não só descansar, mas me divertir bastante também.

Antes de terminar esse post, tenho que dizer que estou na maior ansiedade pela chegada de dois filmes aqui no Brasil: Me and Orson Welles, e Nine. Me and Orson Welles não é sobre a vida de Welles, mas a de um jovem ator que consegue um papel numa obra de Welles, e eu quero muito ver; e o outro é um musical, em homenagem ao cinema italiano, e a Federico Fellini. Elenco? Penelope Cruz, Nicole Kidman, Judi Dench, Kate Hudson, Marion Cotillard e Daniel Day-Lewis. Oi???

I’ll be back!!

Ando escutando e adorando

Ando conhecendo algumas coisas novas em música. Novas pra mim, é claro, que estou um pouco atrasada nas novidades. Mas a verdade é que li no twitter de alguém hoje “tem muita música pra se conhecer no mundo, tô quase desistindo!”

Pois é, tem mesmo. Mas somos brasileiros e blá… blá… blá…, aquele papo sobre desistir.

Tenho ouvido muito Carla Bruni. Sempre gostei, mas às vezes a gente se apega tanto a uma música, ou algumas poucas de determinado cantor(a) que acaba não conhecendo as outras, que podem ser tão boas quanto, ou melhores, ou simplesmente diferentes. Ando apaixonadíssima por “L’Amoureuse”, uma música muito linda, gostosa, romântica e ao mesmo tempo sensual. Tem uma batida que dá vontade de dançar um pouquinho, de andar de bicicleta no bosque com flores na cestinha (hahaha adorei essa imagem “propaganda de desodorante”!), de sentir o vento. Para os apaixonados, deve ser um momento especial ouvir a música a dois. Para os sem-amor-por-enquanto, é lindo também! Mas o melhor é a letra. É uma confissão de como o mundo muda com o amor. Beautiful. Fora aquela voz, pelamordedeus. E fora que é em francês, então o conjunto é perfeito!

Carla Bruni

Também tenho ouvido muito She & Him. É a banda de Zooey Deschanel, a atriz. É tipo Scarlett Johanhsson, que também canta, e também é muito legal, mas eu tô num momento She & Him. Adoro! É uma coisa meio retrô, meio pop, meio feliz, meio tô nem aí pra ninguém. Ouça, que de repente não é nada disso, eu é que tô fazendo uma leitura muito particular. Mas eu gosto da voz dela, tem personalidade, não é uma coisa vibrante, nem uma coisa rouca, nem uma coisa gritante. Aí quando baixava músicas dela achei outras coisas, como uma com Leon Redbone, eles fazem um dueto bom demais, e é particularmente boa. Mas da banda She & Him eu indicaria “Sweet Darling”, “Why do you let me stay here” e “I thoguht I saw your face today”.

She & Him

She & him

Então pessoas, vamos todos concordar em enlouquecer com o fato de que existem novecentos e dezenove bilhões de músicas maravilhosas no mundo, e que não vamos conhecer nem a metade delas. Combinado?

Pra você não perder a visita

Tarde de chuva em plena quarta-feira = vontade de escrever no blog. Mas eu não tenho assunto nenhum pra escrever no blog hoje. E eu sei o quanto é dureza ler um post sobre nada. Eu entendo vocês. Ainda mais quando se tem tanta coisa interessante pra ler no mundo. Até coisas que não interessam a ninguém, como o guarda-roupa de Geyse (meu vício jornalístico me obriga a contextualizar, e dizer quem é Geyse, mas a essa altura já acho desnecessário), estão à disposição. Quem quer, lê. De maneira que ninguém vai perder tempo aqui.

Mas como eu disse, está chovendo, e fazendo jus ao nome deste blog, escrever “tem que ser agora.”

O dilema se estabelece. Mas eu tive uma ideia, resolvi fazer o seguinte: indicar os blogs dos links aí no menu. São todos legais. Pronto, assim você não perde a visita e eu ainda atualizo o blog!

Isso vale?

500 Dias Com Ela

500 dias com ela é uma comédia romântica, mas não é tão romântico, e em alguns momentos não é muito cômico, é quase trágico. Mas é adorável. A construção do filme é muito diferente da convencional. Foram 500 dias de romance, quase um ano e cinco meses. O filme começa no meio, volta pro início, dá uma espiadinha no final, e a cada viagem no tempo, na tela que diz em que dia estamos, há um desenho, uma imagem que muda de estação. No começo é sempre verão ou primavera. Quando vamos chegando à fase em que o romance dá um “fade”, as folhas do desenho caem, ficam vermelhas, e no final, um indesejado e desagradável inverno. O nome da personagem? Voilà, Summer. 500 days of Summer, é o título original. Ele se apaixona por ela, ela gosta também dele. Mas ela não acredita em amor, em compromisso, então decide que quer sim, viver ótimos momentos com ele, Tom, mas nada de compromisso. Ok? Sim, ok pra ele, mas no fundo ele detesta a ideia. E, claro, cai de amores por Summer. Aliás, se eu fosse homem, acho que Summer seria a mulher ideal. Ela é linda (quem não ama a Zooey Deschanel?), espirituosa, inteligente, diferente das outras. Tom (Joseph Gordon-Levitt) também é o máximo. Mas Summer, depois dos namoros anteriores, não acredita mais que se comprometer com alguém tenha futuro. Ela conta pra ele como era seu último relacionamento. Nesse momento do filme, já no “outono”, depois de ouvir o relato dela, ele pergunta: “E o que aconteceu com esse relacionamento?”, e ela responde: “O que sempre acontece. A vida.” Simples assim. Receba. Sobreviva depois dessa.

Eu acho que estou falando demais sobre o filme, fique à vontade para passar para o post abaixo ou outro (não vá embora não!), mas anyway, vale a pena assistir mesmo depois de saber tanto a respeito.

Tem um momento específico do filme que é espetacular. Depois que eles já terminaram, ela o convida pra uma festinha na casa dela. Ele compra um presente e vai. Desde a ida dele, até quando ele vai embora, a tela se divide em duas, direta e esquerda. Começamos a ver dois filmes diferentes. Do lado esquerdo (ah, o do coração…), a Expectativa. Desde a subida das escadas do prédio, a história se desenrola da maneira como ele gostaria que fosse a festa. Do lado esquerdo, também começando da subida das escadas, o que de fato acontece, a Realidade. Na Expectativa, ela o recebe com um forte abraço, um beijo no rosto, e fica conversando com ele a festa inteira, e acabam se beijando loucamente. Na Realidade, ela o recebe como receberia qualquer outro amigo, e apenas fala rapidamente. Logo vai estar com um novo “amigo”, com quem fica conversando todo o tempo.

Como o narrador diz no início, é um filme sobre um cara que conhece uma garota. O final? Ah, eu estou coçando as pontas dos dedos de vontade de dizer, mas aí já é um pouco demais, até pra mim. Veja. Mas veja mesmo. Na trilha sonora The Smiths, She & Him (banda de Zooey Deschanel), Carla Bruni.

500 dias

Boy meets girl

500 days joke

Love happens sometimes!

500 dias2

Summer with Summer

500 dias azul

In love - tudo azul!

500 dias expectativa

Malditas expetativas de Tom

500dias

O que sempre acontece, a vida

Foto-0257

Eu vi mesmo! Ops, a unhas aparecem sem querer (hehehe Marina, Impala)

How come?

Eu tô aqui me perguntando como é que eu não falei nada ainda sobre “500 dias com ela”. Eu assisti na semana passada no cinema, é ótimo. E por falar em me perguntar, por que será que não disse uma palavra sobre “Whatever Works”? Gente, é um legítimo Woody Allen! Deliciosíssimo. Ah, também tem Paris, que eu vi essa semana na sala de arte da Vivo, no Paseo. Eu também gostei muito. Eu não faria ordem de preferência entre ‘500 dias’ e Paris (óbvio que Whatever Works não faz parte dessa dúvida). Aliás faria sim, gostei mais de ‘500 dias’, mas os dois são bem diferentes, Paris também é muito bom.

Mas eu não tenho condições de dizer nada sobre nenhum deles agora…rs Foi só pra registrar. Tem rímel até agora, e pior, é no meu dedo indicador. Percebi porque tava digitando e vi. Isso não tem o menor cabimento.

2009_whatever_works_005

Whatever Works

whatever

Mais Whatever

whatever-works-david

Hahaha, adorei essa cena

500dias

500 Dias Com Ela - tem que ver!

paris o filme

Paris. E Juliette Binoche segue linda...