Archive for Março, 2010

Moda praia – Parece, mas não é.

Hoje eu quero dedicar este post a uma amiga muito especial. Ela é uma daquelas pessoas que transformam qualquer momento trivial num evento extremamente alegre. Taty é simples, linda, muito engraçada, batalhadora, inteligente e adora cantar. Mas quando estamos juntas no carro, principalmente indo à praia, a gente não canta; a gente dá escândalo. É como se não houvesse mais ninguém no trânsito, mesmo que a cidade esteja inteirinha parada num engarrafamento.

E lá fomos nós à praia mais uma vez. Ontem tava rolando um tributo a Renato Russo na rádio. De “Eduardo e Mônica” a “Há tempos”, cantamos (gritamos) tudo. Porque a gente não tem vergonha de alguém no carro ao lado achar que a gente é doida. Afinal a gente é um pouco doida mesmo.

Taty tá sempre pronta pra qualquer coisa. Ela é igualzinha a Roberto Carlos: tem um milhão de amigos. Mas sempre que eu ligo pra ela, mesmo em cima da hora (não por ela ser última opção, pelo contrário, é sempre top list), ela topa. E fica pronta rápido, o que é uma excelente qualidade! Taty é uma daquelas amigas que todo mundo gostaria de ter, e eu tenho! Eu AMO tê-la sempre por perto.

A moda praia do título é essa música que vou usar pra fechar o post. NÃO PODE FALTAR. E depois do sol e das cervejinhas à beira mar, eis que eu e Taty ouvimos o cd de Cássia Eller acústico, e a música 6 – 1º de Julho (Uau! De Renato Russo!) – cantamos, cada uma com suas lembranças, seus sonhos, sua história e sua incrível vontade de viver.

Eu vejo que aprendi
O quanto te ensinei
E é nos teus braços que ele vai saber
Não há por que voltar
Não penso em te seguir
Não quero mais a tua insensatez
O que fazes sem pensar aprendeste do olhar
E das palavras que guardei pra ti
Não penso em me vingar
Não sou assim
A tua insegurança era por mim
Não basta o compromisso
Vale mais o coração
Já que não me entendes, não me julgues
Não me tentes
O que sabes fazer agora
Veio tudo de nossas horas
Eu não minto, eu não sou assim
Ninguém sabia e ninguém viu
Que eu estava a teu lado então

Sou fera, sou bicho, sou anjo e sou mulher
Sou minha mãe e minha filha,
Minha irmã, minha menina
Mas sou minha, só minha e não de quem quiser
Sou Deus, tua deusa,meu amor

Alguma coisa aconteceu
Do ventre nasce um novo coração

Não penso em me vingar
Não, não, não, não! Não sou assim!
A tua insegurança era por mim
Não basta o compromisso
Vale mais o coração
Ninguém sabia, e ninguém viu
Que eu estava ao teu lado então
Sou fera, sou bicho, sou anjo e sou mulher
Sou minha mãe e minha filha,
Minha irmã, minha menina
Mas sou minha, só minha e não de quem quiser
Sou Deus, tua deusa, meu amor

Baby, baby, baby, baby
O que fazes por sonhar
É o mundo que virá prá ti e prá mim

Vamos descobrir o mundo juntos baby
Quero aprender com o teu pequeno grande coração
Meu amor, meu Chicão…

PS: Na foto estão outras duas amigas tão especiais quanto: Ju e Té. Nós quatro juntas somos imbatíveis em alegria. Taty, Ju e Té, o que seria de mim sem vocês?!

Eu, 24 horas.

Eu canto no carro, eu amo quando chove, eu choro com música, eu como a tarde inteira, eu nunca sei o que eu quero, eu rezo na janela, eu acho que vivo no Show de Truman, eu vou ao cinema sozinha, eu sou uma criança, eu resolvo meus problemas, eu falo numa rádio, eu canto sempre no carro, eu sonho, eu tenho meus pesadelos com espíritos, eu planejo, eu coloco tudo que não planejei em prática, eu nunca me arrependo do que faço, eu pago minhas contas, eu uso salto alto, eu tenho vivido intensamente, sofri absurdamente, sou feliz loucamente, eu sou confiante, eu me acho o máximo quase sempre, quando eu não acho eu sou péssima, eu sou uma pessoa extremamente normal, eu falo sozinha todos os dias.

Simples assim.

“Levou um susto que lhe abriu a boca”

Acaba de me acontecer uma coisa tão legal, mas tão legal, que eu vim correndo registrar pra não esquecer nunca. E pensei “isso é o tipo de coisa que eu coloco no blog, não no twitter”. É que não sei, mas às vezes tenho a impressão de que o twitter é um lugar bem cheio de gente onde as pessoas gritam coisas que só fazem sentido pra elas, em momento e circunstância muito pessoais, e de vez em quando alguém responde de lá. Parece um pregão da Bolsa de Valores. Meu “Acontecimento Especial” merece a calma do meu bloguinho.

Mesmo sem dizer exatamente o que foi (o que pra mim é extremamente legal, para os outros pode parecer uma bobagem, de maneira que vou guardar o fato em si só pra mim, ok?), eu posso dizer que recebi pelo Correio uma cartinha. Cartinha mesmo, destinatário, remetente e, deixa ver se tem selo…

*
*
*
… ok, não tem selo, mas tem uma série de carimbos. Envelopinho azul, adesivinho pra selar, e cola, bastante cola. Como se ali dentro houvesse um tesouro valiosíssimo que ninguém pudesse tocar. E havia mesmo.

Bom, era uma espécie de cartão de “Feliz Ano-Novo” um pouquinho atrasado! Não foi de nenhuma amiguinha de infância, affair antigo, recente nem futuro. Tios, parentes distantes, ofertas de emprego, nada disso. Foi de uma pessoa que pode me ajudar. Me ajudar em algo que eu defini como meta para este ano. Essa meta é uma das pouquíssimas (três, na verdade) que estabeleci para 2010 (parei de fazer lista com dez. Às vezes chegava no oito, não tinha mais nada em mente e ficava horas pensando em como preencher os restantes, “no matter what”). Uma dessas metas eu estou cumprindo com louvor; a outra precisou ser adiada um pouco, mas não saiu da lista; e a terceira é esta. A que envolve o(a) destinatário(a) da minha cartinha. No cartão, uma frase chamou atenção: “Que neste ano que começa, VOCÊ seja a sua prioridade!

Bingo! É exatamente o que eu tinha em mente para este ano. Antes que alguém pense “que péssima frase feita de propaganda de alguma coisa que ela quer”, eu digo: isso fez muito sentido quando eu li. Ensaiei um chorinho emocionado, mas desisti, a coisa ia ficar meio cafona. Mas vim correndo registrar o recebimento da minha cartinha.

Quando meu pai jogou o envelope azul em mim em cima da cama onde eu lia meu livro atual, ele não imaginava o que eu senti logo depois.

Coisas que amo

– Massagem no couro cabeludo feita no salão enquanto lavo o cabelo com água morninha.
– Chegar em casa à noite e sentir a água muito quente nos meus pés (independente da temperatura ambiente)*.
– Quando chove e eu fico sentindo o cheiro da terra molhada, da janela da sala lá de casa.
– A felicidade que a amizade pode proporcionar.
– Tomar um copo de suco bem geladinho nesse calorão que tá em Salvador.
– Ter crise de riso com os amigos.

*No calor desse verão em Salvador eu prefiro a água mais friinha.

PS: A lista é constantemente atualizada.

Registro rápido: ontem na praia com Elen e Fermar (marido de Elen), Fermar me pergunta:

– E aí, Dele, tá gostando da praia com a gente?

E eu:

– Claro que sim! Eu já te disse que eu sou feliz com pouco!

?!?

Eu juro que não quis dizer “tô na merda, mas tô legal”, como concluíram os dois! É que sei lá, eu sou sem noção mesmo! hahahah… Saiu!

Sobre defeitos e pequenos passos

Tem uma coisa que eu preciso registrar. Preparem-se, porque não é pouca coisa. Eu estou conhecendo uma nova Nardele! Talvez não seja exatamente isso, talvez eu esteja construindo uma nova ‘eu’. Vou tentar explicar.

Você sabe qual é o seu maior defeito? Não aquele que as pessoas apontam em público, “ah, eu sou muito perfeccionista, gosto de fazer tudo bem feito!”. Isso lá é defeito? Me poupe, me bata um abacate. “Poxa, eu sou muito ingênua, confio nas pessoas…”. Ah tá, senta e espera Papai Noel. O pior defeito nunca é aquele que parece uma virtude. E eu nem falo dos desvios de caráter, isso já é outra história. Defeito é outra coisa. O meu, por exemplo, é a preguiça.

Eu sou muito preguiçosa. O tipo da pessoa que passa anos com um problema que pode ser resolvido com um telefonema. É meio exagero, mas dá pra ilustrar legal. Preguiça de fazer coisas em prol da saúde, do bem-estar, do bolso, da carreira, da casa. Deu pra sentir, né? Preguiça = auto-sabotagem.

Quando eu disse que estou me reconstruindo, eu quis dizer que resolvi estabelecer como prioridade combater o problema. E olha, não é fácil. Eu sou o tipo da preguiçosa que exercita com afinco a preguiça desde que se entende por gente. Em maior ou menor escala eu sempre fui um pouco preguiçosa, mas eu acho que chega um momento na vida em que isso se torna mais perigoso. Tipo: Ou eu tento mudar ou eu aceito que deixei de fazer coisas importantes na vida, pequenas ou grandes, porque eu sou preguiçosa.

Mas eu volto a dizer, não é fácil! Acho que é tipo cortar um vício. “Cold turkey”, uma expressão em inglês que significa quando uma pessoa quer cortar um vício, ou um hábito, de uma vez só, não aos poucos. Tipo parar de fumar, a pessoa simplesmente nunca mais põe um cigarro na boca. É de uma vez só, cold turkey.

Estou atacando a preguiça assim, cold turkey. Desde que comecei, resolvi que é ridículo deixar sempre pra depois, sempre pra depois, coisas que eu sei que não vou resolver nunca mesmo. Ou eu digo “desencanei, simplesmente desisti disso, nunca farei”, ou eu começo a fazer hoje. Porque tem coisas que só eu posso fazer, se eu não fizer ninguém faz. Não dá pra ficar a vida inteira esperando que os outros tomem nossas decisões.

E quer saber? Tô muito feliz com o método que eu criei. Basicamente é isso, “a partir de hoje eu vou trocar de exercício, em vez de exercitar a preguiça vou exercitar o esforço, sei lá, a atitude”. Tem dado mega certo. E mais do que as decisões importantes que eu tenho tomado, que significam muita coisa pra mim, eu tô feliz com o fato de que eu sou capaz de me superar. Tá o maior papo de auto-ajuda! hahahaha… Mas eu queria que o blog soubesse! Por falar no blog, já viu o título? “Tem que ser agora?” Beeem preguiçosa! Prefiro o endereço, AGORAMESMO.wordpress.com.

Enfim, como diria meu amigo Neil Armstrong (foi mais ou menos isso, não foi, Neil?):

É um pequeno passo para esta semana; um salto gigantesco até o fim do ano.

Eu, descobrindo a lua!