Uma SuperNanny pra Vida

Arrá, olha só, agora eu tenho Sky. Viram como eu estou avançando? Anotem aí uma estrelinha pra mim. E aí no primeiro dia peguei o controle e fui viajando pelos canais, tantas novidades, um monte de coisa, vontade de ver tudo. Aí parei no Viva e fiquei assistindo SuperNanny, só pra passar o tempo. E também porque eu acho super interessante a ideia desse programa. Uma educadora profissional de crianças-problema. Aquelas que não dão sopa pros pais, que acabam virando escravos dos filhos.

A SuperNanny estava numa casa onde os dois filhos, um casal de uns 8 a 10 anos, simplesmente desconheciam a autoridade da mãe. O padrasto quase não participou. As crianças faziam tudo que queriam, bagunçavam, não tinham horário pra nada, batiam na mãe, gritavam com ela, mordiam, choravam, se faziam de vítimas, eram impossíveis. E então a SuperNanny tentou de todas as formas impôr limites, observar a rotina da família e levou a mãe pra uma espécie de trilha. Deu a ela uma mochila bem pesada e pediu que carregasse por um bom percurso. No final, quando ela já não aguentava mais o peso, SuperNanny permitiu que ela se sentasse e abrisse a mochila. Dentro tinha várias pedras grandes, e em cada uma delas tinha algo escrito. Culpa, Medo, Insegurança, Pena, Permissividade e uma série de outras palavras relacionadas ao que aquela mãe sentia. Ela foi jogando cada pedra fora, e chorava muito. E aí ela foi, bem aos poucos, começando a perceber que ela carregava muitos sentimentos que não necessariamente precisava, e que o comportamento completamente equivocado dos filhos era um reflexo de uma total falta de limites. E do fato de que ela tinha pena de educar, afinal educar não é sempre provocar sorrisos e fazer carinho.

Aí eu comecei a pensar em outros universos onde uma SuperNanny seria muitíssimo bem vinda. Relacionamentos amorosos. Sabe aqueles onde um dos dois age feito criança, querendo impôr todas as suas vontades, nunca observando se vai ou não magoar o outro? Que faz com que o outro carregue toda a responsabilidade afetiva que deveria ser compartilhada pelos dois? Hum, imaginei alguns assim. Uma SuperNanny bem poderia ensinar um pouco aos dois. A um, a aprender os limites da imposição de suas vontades; ao outro, a capacidade de dizer “não”.

No trabalho, então, seria ótimo. SuperNanny ensinaria as equipes que trabalham juntas a lidar com a diferença de personalidades. A lidar com o fato de que ali todos são presumivelmente adultos e não precisam (ou não deveriam precisar) de babá pra dizer o que fazer, que horas, essas coisas. Ela poderia também ensinar que trabalho é um lugar onde as relações não são de parentesco, embora um bom relacionamento seja essencial. O que não significa que podemos agir feito filhos, ou amigos que “pongam” no trabalho dos outros. Que ninguém deve ser escada pra ninguém, que dar chiliquinho sempre que algo não sai do jeito que se idealizou é coisa de criança, e trabalho infantil é proibido.

Taí, a SuperNanny da vida seria uma mão na roda. O que prova que apesar de adultos, estamos ainda insistindo em engatinhar em algum aspecto da nossa vida. E que idade tem pouco – ou nada – a ver com experiência e maturidade.

7 responses to this post.

  1. E uma no trânsito! Hein? Que tal? Nas filas de ônibus… na galera que não espera pra entrar no elevador. Sei lá, fiquei pensando aqui também.😉

    Responder

  2. Delícia de texto Nardele…. quantas vezes me perguntei porque que as pessoas insistem tanto em repetir os mesmos erros que as machuca e escraviza?
    A maior prova de que estar junto deve ser mais prazer que dor é que nós ESCOLHEMOS quando e com quem estar…
    Outro aspecto importante é que as pessoas, cada vez mais egocêntricas e distantes, confundem individualidade com total ausência de respeito… e acabam levando isso para todas as suas relações: amorosas, no trabalho e sociais, em que perderam a capacidade de argumentar e só conseguem se manifestar superficialmente ou por meio dos chiliques e surtos rsrs
    Esquece-se que estar com outro é prazer e não dependência sem responsabilizar o outro pela sua felicidade, sem ninguém ser remédio de ninguém…
    Gosto muito desse texto de Flávio Gikovate “Sobre o ser sozinho” e suas relações com essa nova realidade.
    elusion-pedion.blogspot.com/2006/11/sobre-estar-sozinho-de-flvio-gikovate.html

    René Schwab

    Responder

  3. Uma só não, varias, hein? Parabéns pelo texto, ótimo!

    Responder

  4. Posted by Leandro Silva on 15 de Março de 2012 at 10:50

    Nardele, excelente seu texto! Realmente uma Super Nanny iria se muito útil nos relacionamentos amorosos e profissionais. Parabéns, sou seu fã e te sigo no twitter.
    Um abraço!

    Responder

  5. Posted by vilma on 15 de Março de 2012 at 16:08

    nardele,
    vc.teve uma vis~~ao fantastica a partir da educaçao infantil apresentada pelo programa.Gostei muito.O mundo adulto realmente nao ´´e diferente.Que dificuldade de se tornar adulto, maduro.Compartilhar.Doar.Fazer e ser feliz.Precisamos realmente de varias supernanys.
    Parabens.Seu texto ´´e fantastico.Nos faz refletir!

    Responder

  6. Posted by Rainê on 8 de Abril de 2012 at 9:24

    Assistia muito a SuperNanny nacional, tenho dois filhos, de tanto assistir percebi que ela ia para educar os pais, pois os problemas das crianças eram justamente a atitude dos seus pais, que não estavam preparados para tal papel. Erramos na educação dos filhos da mesma forma que erramos no trabalho, vida conjugal, escola, faculdade, nas filas, no trânsito… Tempos difíceis.

    Responder

  7. Posted by Ana Carolina Araujo on 18 de Julho de 2012 at 9:04

    Querida Nardellll (rsrs), adorei seu texto, mas faço só uma ressalvinha que aprendi na prática da maternidade. A Supernanny nem sempre faz um grande serviço, porque muitas vezes educar é dar carinho e fazer sorrir, sim. Falo isso porque, ela incorre no erro recorrente de tratar todas as crianças como iguais, sem conhecê-las profundamente. Falo isso porque, em geral, um comportamento muito ruim tem a raiz emocional muito profunda, que não dá pra conhecer em três dias numa casa. Enfim, apenas uma opinião. Mas para os adultos, recomendo muito.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: