Atitudes gentis

Depois da repercussão tão linda de todos que comentaram o post abaixo, senti um pouco mais de fé no ser humano. Porque, honestamente, eu acredito que a atitude positiva é muito fértil, é contagiosa, ela pode se multiplicar. Todo mundo sabe, isso não é novidade nenhuma (e aqui eu lembro de um professor da faculdade de Jornalismo que dizia “se for pra dizer o óbvio, é melhor que fique calada”… mas algumas obviedades saudáveis podem e devem ser repetidas), o fato é que quando alguém tem uma atitude gentil ela pode fazer toda a diferença no dia de outro alguém. A gente tende a ser amável e compreensivo com alguém que é gentil conosco. Costumo acreditar que somos espelhos das reações dos outros. Se alguém grita comigo, eu tendo a responder no mesmo tom. Se alguém é seco e objetivo demais, eu irei simplesmente agradecer e sair. Se sou bem atendida, de maneira rápida, eficaz e simpática por alguém, eu irei responder da mesma maneira. E acho que é esse comportamento que eu vou querer reproduzir.

Há não muito tempo eu resolvi instituir comigo mesma o “dia da gentileza”. Neste dia, eu estabeleço que vou dar passagem a algum motorista que tenha mais pressa. Que vou sorrir quando precisar falar com pessoas que não conheço. Que vou parar o carro, quando der, pra que alguém atravesse a rua. Que vou usar todas as regras de “bom dia”, “como vai”, “muito obrigada”, “fique à vontade”, que às vezes, na correria ou na introspecção, a gente esquece. E sempre que eu estabeleço o “dia da gentileza”, quem mais ganha sou eu! É uma coisa muito agradável ver uma pessoa sorrindo e agradecendo por finalmente alguém ter parado o carro para que ela atravessasse a rua. É muito bom quando, mesmo no ritmo frenético de um dia cheio de trabalho, você atende o telefonema de um desconhecido que sabe que está te pedindo um favor, talvez um dos grandes, mas que não tem mais a quem pedir e você faz isso por ele, porque isso não vai inviabilizar o seu dia, e no final das contas vai ajudar muito alguém. Aí você ouve “poxa, muito obrigado mesmo”, e fica tudo bem, bem melhor que antes. É tão raro ouvir um “obrigado” honesto, verdadeiro esses dias, que quando isso acontece, faz muita diferença. Então decidi busca-lo, sendo gentil, tentando ajudar se eu puder. Acho que aprendi algo com meu “anjo da enchente”!

Vejam bem, não é sempre que eu consigo instituir o “dia da gentileza”, tem vezes em que estou estressada, desanimada, chata, impaciente, eu sou só humana, “ridícula e limitada”, como diria Raul Seixas. Mas como tudo na vida é exercício, é preciso exercitar, inclusive, a capacidade de melhorar, de passar adiante algo que recebi de bom, de contar casos como esse, quem sabe se, de quebra, ainda inspiro alguém a fazer algo parecido?

Garanto que só a tentativa já vai valer a pena.

Advertisements

6 responses to this post.

  1. Posted by Leno Assis on 23 de Janeiro de 2011 at 17:43

    Inteligência não é sinônimo de sabedoria, e eu sou prova viva disso. Tanto que aqui estou me achando inteligente. Adorei o seu texto e, principalmente, a forma simples e despretensiosa como relata suas posições e sentimentos. Sinceramente, eu a invejo. Mas uma inveja boa, de quem admira a sua sabedoria, o seu talento para chegar de mansinho e, como quem não quer nada, ocupar os espaços com rara maestria. Você vai longe!

    Responder

  2. Amanhã, com certeza, farei o “dia da gentileza” e no fim, vou agredecer a voce. Massa o texto! Muito boa idéia, Dele!

    Responder

  3. Oi…
    Eu diria que deviamos tentar estender esse comportamento para todos sos dias, mesmo que nosso estado de espírito não esteja “dos melhores”, tentemos, pois como disse certe vez uma amiga minha “que nossas condutas desagradáveis deixemos no nosso quarto quando acordamos e ofertaremos dessa forma o melhor para os outros”, e com certeza essas boas ações retornarão as vezes de maneira inesperada como num dia de chuva…

    Responder

  4. Posted by Rejane on 2 de Fevereiro de 2011 at 17:38

    Infelizmente a gentileza está fora de moda. A educação também.
    Mas podemos fazer a nossa parte. É o caso do pássaro que sacode as asas molhadas para apagar o incêndio da floresta. Claro que não apagará, mas, pelo menos, está fazendo a sua parte!
    Um beijo

    Responder

  5. eu n tenho mta paciencia com as pessoas n, me irrito mto fácil. mas esta eh uma boa ideia, tentarei. preciso mudar esse comportamento.

    Responder

  6. Obrigado pela visita! Adorei a temática de seu Blog! vou colocar na minha lista de Blogs!

    Sds,

    Tiago Britto (Cinema Detalhado)

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: