Advogada do diabo

Vocês também travam discussões aguerridas internamente? Ai, isso acontece tanto comigo… Eu carrego várias pessoas dentro de mim. E elas são daquele tipo “você disse que o céu é azul? Eu não gosto quando você tem esse ar de superioridade. Só pra contrariar, vou pontuar que o céu é rosa”.

– Como assim, o céu é rosa? Isso é ridículo. É consenso universal que o céu é azul.
– O céu é preto.
– É patético ver alguém que não tem argumentos e que se perde defendendo pontos de vista sem nenhuma base só porque perderam uma discussão. Há pouco o céu era rosa… Tsc.
– De que cor é o céu às 10 da noite? E de que cor é o céu na alvorada? Eu te ajudo. Preto e rosa, respectivamente. Portanto eu sempre estive certa.
– Na maior parte do tempo é azul, então o azul prevalece.
– Sim, mas ainda assim você não estava 100% certa. Só é azul na maior parte do tempo… mas pode ser rosa na menor parte do tempo. Se você omite esse detalhe eu também posso omitir. O céu é rosa.

Viu que eu disse?

É por aí. Assim eu passo o dia discutindo comigo. Outro dia eu estava no trabalho, 110% dedicada a um trabalho que exigia atenção total. Então o telefone da minha mesa tocou. Era o porteiro avisando que duas pessoas estavam querendo me ver na portaria. Ai, que saco, eu não tô no sofá esperando pra receber visitas, eu estou trabalhando, pensei, enquanto me levantava a muitíssimo custo. Ao chegar lá descobri que se tratavam de duas senhoras com uma caixa embrulhada pra presente. Eram chocolates importados, em agradecimento a todo o meu esforço em divulgar o nome da cadelinha de uma delas, que tinha sido levada por um estranho. Mel, a yorkshire, tinha sido devolvida por um ouvinte anônimo e entregue às duas ali na minha frente, que traziam o mais gentil e grato dos sorrisos. Não soube o que dizer, tinha apenas feito o meu trabalho (embora essas questões me toquem verdadeiramente, e talvez eu tenha mesmo dado atenção especial a Mel). Elas agradeceram algumas vezes e se foram, dizendo que não queriam atrapalhar, já que sabiam que eu estava trabalhando.

Imaginem em que estado voltei à minha mesa. Queria deixar de existir. Queria largar tudo ali e correr pra um retiro espiritual, onde deixaria de ser tão estúpida, egoísta e mesquinha. Onde aprenderia a dar valor ao desconhecido, mesmo que ele atrapalhasse meu trabalho no meio da manhã. Queria mais que isso, queria voltar no tempo, e simplesmente reagir de outra maneira ao toque do telefone. Mas… aí vem a outra eu que me diz:

– Calma aí, você é só um ser humano. Como ia adivinhar que era algo assim? Podia ser um chato trazendo um calhamaço de papel de um processo na Justiça que dura 30 anos e que ele quer que você resolva. Isso já aconteceu.
– Sim, poderia, e neste caso se trataria de uma pessoa que estaria precisando de minha ajuda, já que não tinha ninguém mais a recorrer… foi assim da outra vez.
– Podia ser um bêbado que ouviu sua voz na rádio e que queria saber como é sua cara.
– Bobagem. O porteiro não ia me chamar.
– Ele disfarçava bem… Ou podia ser engano, a pessoa queria falar com alguém de outro ramal, e o porteiro foi desleixado em passar pra você. Enfim, você estava se dedicando ao seu trabalho, e tem todo direito de não querer ser interrompida.
– Tem razão, sou só um ser humano, sou ridícula, egoísta, ponto.
– E não vai evoluir nunca não? Passou da hora…

E aí a discussão volta sempre pro início, vira um ciclo e eu nunca me resolvo. E eu vivo assim, no meio de brigas internas que nunca chegam a conclusões satisfatórias. Mas eu tenho algo a confessar. Curiosamente eu gosto disso. Eu fico sempre conversando comigo. O lado ruim desse meu jeito é que eu dificilmente tenho posições firmes sobre as coisas. Porque sempre, tudo na vida tem mais de um lado. Olhando de pontos de vista diferentes, as coisas ficam realmente diferentes. E eu posso ficar sempre mudando de opinião (nem é tão ruim assim, né). O lado bom é que eu quase nunca olho as coisas e as situações de um único ponto de vista. Prefiro observar de mais de ângulo, mesmo que isso me custe horas de debates internos acalorados. Não tô dizendo que isso é bom ou ruim absolutamente. É que pra mim só funciona desse jeito, acabei me adaptando. Sou minha própria “advogada do diabo”.

Advertisements

6 responses to this post.

  1. Pelo menos é com vc mesma…
    Eu sou super advogada do diabo e sei que isso às vezes irrita às pessoas à minha volta, pq às vezes elas apenas querem apoio 😛

    Responder

  2. Posted by sir Jorge on 24 de Maio de 2010 at 16:29

    “- Podia ser um bêbado que ouviu sua voz na rádio e que queria saber como é sua cara.” hehehe… acho que todos nós travamos este tipo de luta, senhorita Nardele. E por falar nisso (irc) gostaria de conhecer teu rosto (irc)! Brincadeira, conheço já… e achei tão linda quanto à voz!

    Responder

  3. Na, que legal sua reflexão?

    Ser humano é isso mesmo, reconhecer que é falho e que tem lado sombra, mesmo. Legal é cair em si e recobrar a consciência – isso, para quem tem… e quem tem é quem trava debates internos intermináveis… rs

    Desculpa, me meter, mas, não é questão de egoísmo… é questão de instante. Somos um EU em essência e vários personagens reais ou imaginários desse mesmo EU, portanto, somos nós em si… Quando o debate começa e me vejo envolta nesse ciclo interminável, grito internamente: “para!!!” E essa voz é de um outro eu, dentro de mim, que precisa ter autoridade sobre os vários eus… rs

    Coloquei o link do seu blog no meu, para poder te seguir.

    Beijos, Pat.

    Responder

  4. Ops! Saiu uma interrogação intrometida no inicio do meu comentário…

    Responder

  5. Sim, o céu… quem disse que à noite ele é preto? Pode ser azul marinho escuro… rsrsrs

    Responder

  6. Amiga,
    A gente, que fica à frente de um microfone, não tem a dimensão de como toca as pessoas. Só quando uma coisa dessas acontece. Agradeça e não se cobre por ter sentido impaciência. Não somos perfeitas, mas aprendemos com nossas falhas. E sabemos da cobrança, da sobrecarga… É lindo quando recebemos uma retribuição como esta. E sei que a família de Mel está verdadeiramente grata. Veja este acontecimento como uma doce lição, não como um puxão de orelha.
    Saudade.
    Gabi
    Ps: Tem um lindo texto usado em aulas de pedagogia em que uma pequena estudante corrige a professora e explica porque usou toda a caixa de lápis de cor para pintar o céu. Acho e te passo.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: