Papy, Trotro, Gipsy, Alouette e a saudade

papy

Voici papy.

Eu ando morrendo de saudade de Esteban, meu sobrinho de dois anos que mora na França. Claro que também estou azul de saudades de minha irmã, Rai, a mãe dele (e de Pierrick também! Meu cunhado caladão que anda conversando cada vez mais).

papy2

Papy avec le petit.

Estebinho é uma coisa muito linda. Ele é doce, ao mesmo tempo em que é independente, ao mesmo tempo em que te ignora, ao mesmo tempo em que, de repente, ele corre pros seus braços e fica guardadinho lá, pedindo um carinhozinho. Ele fala “fran-tuguês” (mistura tudo às vezes). Tem um cabelinho com cachinhos dourados que é a coisa mais terna desse mundo. E um sorrisinho que eu gostaria de fotografar todos. A risada? Linda. Parece que todos os males do mundo caem por terra, e a vida ganha a quarta camada de cor dos antigos filmes Kodak. Ele tem um corpinho atlético, parece um homenzinho. E, de repente, ele surpreende a todos com suas tiradas.

papy3

Où est papy?

Como ele está aprendendo dois idiomas ao mesmo tempo, demora um pouco mais pra desatar a soltar frases compridas. Outro dia, em férias aqui em casa, ele estava sentadinho no chão com cinco sabonetes. Eu, meu pai e minha mãe (que ele chama de gogô e gogó), junto dele, admirando a cena distraidamente. Ele sozinho, então, começa a separar uns sabonetes dos outros dizendo:

– Un, deux, tois, quat, cin.

Assim mesmo, faltando algumas partes, mas ele contou todos. Diante do susto, todo mundo correu pra pegar uma câmera. Ele obviamente não repetiu. Depois que o aparato estava desmontado, ele solta:

– Um, do, tê, quat, in.

E a câmera lá, desligada, para desespero geral. Em outra ocasião, ele já em casa em Grand Quevilly (que é menor do que a vizinha Petit Quevilly – vá entender), minha irmã passa o telefone pra ele falar comigo.

– Alô! É Estebinho??

Minha irmã me diz que ele de lá faz que sim com a cabeça. Depois devolve o telefone pra ela, sai correndo e volta com o aspirador de pó de brinquedo dele pra me mostrar no telefone.

papy4

Où pense-tu qu'il se cache?

E só mais um episódio. Anteontem minha irmã me contou que eles estavam vendo fotos das férias no Brasil. A cada foto ele dizia:

– Encore! – “de novo”.

Ele queria voltar. Como eu sei? Ele saiu da cadeirinha, pegou o casaquinho dele, pediu à mãe pra vestir, puxou-a pela mão e levou à porta. Queria voltar ao Brasil pra ver gogô, gogó e tata (esta que vos fala).

papy5

Dans un tableau, peut-être?

Esteban é uma coisa. Eu morro de saudade dele. É meu pequeno príncipe particular. Aiai…

papy6

Voilà, papy!

Advertisements

2 responses to this post.

  1. Ninguém melhor do que vc para descrever claramente esse menininho tão especial na minha e nas nossas vidas! Ele é unico, é espetacular, é puro, é puro amor e bondade, é um anjinho que Deus mandou de presente pra mim como filho (sim, ta bem, sou babona hehehe)

    Responder

  2. Oi Nard!
    Fiquei com vontade de escrever sobre Lupyyyyyy!!!!
    bjooo

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: