Antes do amanhecer e do pôr-do-sol (Em 20/09)

Mon Dieu, e agora?? Acabei de assistir “Before Sunset”, ou “Antes do pôr-do-sol” mesmo, como foi traduzido (aliás, ainda bem que a tradução foi literal, porque de vez em quando eles inventam uns títulos não-sei-o-quê. Nesse filme eles teriam dito… sei lá, algo do tipo – “9 anos depois”, ou “Reencontro indefinido”, ou ainda “Será que dessa vez vai?”). Numa introdução for dummies, este filme é a continuação de “Before Sunrise” ou “Antes do amanhecer” (ufa). No primeiro filme, dois jovens (Ethan Hawke e Julie Delpy) se conhecem num trem a caminho de Viena, ele voltaria de lá pros Estados Unidos, ela iria pra Paris, mas houve uma química tão forte entre os dois que eles decidiram passar aquele dia juntos, até a manhã seguinte, quando seguiriam pros seus destinos. As horas que passaram juntos foram tão perfeitas que os dois se apaixonam perdidamente, e marcam um reencontro na plataforma do trem em 6 meses, mesmo dia, local, horário. Resultado, se encontram 9 anos depois, sem marcar, em Paris. E chega de sinopses porque eu preciso desabafar. Esse texto provavelmente vai descambar pra contar o final, então pense agora se quer continuar a ler.

Sim, e aí? A cena final (eu avisei!) termina sem terminar. E o filme mais uma vez deixa absolutamente tudo subentendido. No começo do filme Jesse (Hawke) dá a dica: “Se eu dissesse como foi o final, acabaria todo o suspense”. E cada um escreve o final que quer. E aí? O que você acha que aconteceu? Bom, pra mim… deixa ver o que eu acho que aconteceu. Eu acho que eles ficam juntos. Ele perde o avião e fica com ela aquela noite. Mas depois ele volta pro casamento infeliz que leva por causa do filho. E ela continua sua vida infeliz com o tal namorado fotógrafo, que me pareceu meio fictício. Mas os dois estão desacreditados do amor! Os dois meio que desistiram do amor. E sentem algo entre eles tão forte, mas são incapazes de jogar tudo pra cima por causa daquilo. Mas talvez ele volte pros Estados Unidos porque os dois acham que aquela química perfeita se perderia se eles ficassem juntos “pra sempre”. Então, isso quer dizer que é melhor achar que não vai dar certo, dar as costas e voltar pro que com certeza não dá certo. Aaaanh???

Os dois filmes são lindos. São duas pessoas se apaixonando em tempo real, e tudo acontece porque eles conversam, eles falam, eles são sinceros no que dizem. Que bela maneira de se apaixonar por alguém. O primeiro filme termina de uma maneira tããão dura… A câmera vai focando os lugares onde os dois passaram momentos juntos. Os lugares agora estão vazios, sem vida, sem amor, sem os dois. O segundo começa com imagens dos locais onde eles vão passar. Que coisa mais linda! A promessa do que vem, e não a tristeza do que foi. Em suma, fora o choque inicial do descrédito do amor, e ao mesmo tempo, do amor tão romântico que chega a ser platônico, eu adorei os dois. PUFFFFF… (barulho de carimbo): INDICADOS.

Antes do Amanhecer

Antes do Amanhecer

Antes do pôr-do-sol

Antes do pôr-do-sol

Anúncios

7 responses to this post.

  1. Essa história de cafuné e terra molhada é mal de canceriano! Vixe! Tinha até um poema sobre isso. Algo como: “…é triste quando não chove e não sinto o cheiro de terra molhada…nem o odor verde-molhada da arvore baixa que espreita no jardim… Amoreira!” Sinta-se em casa na ‘blogosfera’, meu anjo! visite:
    Visite:

    http://arcanjocriouasas.blogspot.com/
    http://arcanjocriouasas.wordpress.com/

    Ou, siga-me pelo twitter:
    http://twitter.com/eduardosanctos

    Responder

  2. já que não encontro a íntegra do meu, fica aí com Ricardo Eliezer Neftalí Reyes Basoalto mesmo:

    Ps: descobri que, como se não fosse uma obrigação kármica, tanto J. Amado, quanto sua esposa, Z. Gattai, amavam este poema. Espero que, assim como eu, você sinta esta necessidade também. É quase uma obrigação. Lê:

    Encántame

    Para meu coração teu peito basta,
    para que sejas livre, minhas asas.
    De minha boca chegará até o céu
    o que era adormecido na tua alma.

    Mora em ti a ilusão de cada dia
    e chegas como o aljôfar às corolas.
    Escavas o horizonte com tua ausência,
    eternamente em fuga como as ondas.

    Eu disse que cantavas entre vento
    como os pinheiros cantam, e os mastros
    Tu és como eles alta e taciturna.
    Tens a pronta tristeza de uma viagem.
    Acolhedora como um caminho antigo,
    povoam-te ecos e vozes nostálgicas.
    Despertei e por vezes emigram e fogem
    pássaros que dormiam em tua alma.
    (Pablo Neruda)

    Responder

  3. Ei! Moça! O A. Setaro vai ministrar um intensivo sobre “Elementos de apreciação cinematográfica”.
    http://setarosblog.blogspot.com/
    Forte abraço!!

    Responder

  4. creio ter postado os 2 primeiros comentarios no post errado. Eram sobre “a famosa lista de nardele””

    Responder

  5. Que bom que você, viu, amiga… mais um assunto para o nosso pão afetuoso…rs
    Saudade. Amo-te. Já cheguei. (acho que aqui não é espaço para isso, né? Bem… quem mandou dar este nome ao blog??? Agoramesmourgentementeumcarinhodaminhaamiga (vou criar um com este nome…). Saudade.

    Responder

  6. Aaaaahhh! eu sou romântica! acho que eles ficaram juntos! Juntos é melhor, mais bonito, mais gostoso! Forever!!! kkkkkk

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: